Pesquisar este blog

Carregando...

Últimas Notícias - Invento só deslancha com investimento

Idéias originais e revolucionárias permanecem desconhecidas por falta de apoio financeiro e excesso de burocracia Lígia Ligabue Há cinco anos, o empresário Maurílio Fábio de Camargo, 48 anos, inventou um produto capaz de deixar cozinheiros profissionais de queixo caído. Uma mistura que engrossa qualquer caldo e molho em poucos minutos, sem alterar o sabor do alimento. Mas, sem apoio para produzir o produto em escala industrial, Camargo terá que investir ainda mais para ver seu invento nas prateleiras. Para Associação Nacional dos Inventores (ANI), como Camargo, há muitas pessoas que possuem boas idéias, mas não conseguem comercializá-las. A idéia de Camargo começou a partir de seu prato favorito: o feijão. Antes de ser inventor e empresário - ele é dono de uma prestadora de serviços em limpeza -, Camargo era vendedor e viajava muito a negócios. “Sempre participávamos de festas e eventos, almoços, jantares e sempre reparava que mesmo em bons restaurantes, o feijão tinha um caldo ralo. Então, comecei a pensar numa maneira rápida de engrossar esse caldo.” Depois de pesquisar ingredientes, testar fórmulas e cozinhar muito, Camargo chegou ao “Caldo Grosso”, nome que batizou o invento, uma mistura em pó que deixa os molhos mais espessos. “E sem alterar o sabor, porque o melhor do feijão é o tempero que cada um dá”, destaca. Aliás, ele afirma que o produto ressalta o sabor do alimento. Assim que chegou à fórmula definitiva, Camargo procurou a ANI e registrou a patente. Agora, a associação e ele buscam parceiros para produzir comercialmente o “Caldo Grosso”. Hoje, seu maior sonho é ver seu produto empregado em merendas das escolas públicas, em refeições hospitalares e nos lares do País. “Além de deixar caldos e molhos mais grossos, ele também é light, feito com aveia. Só leva ingredientes naturais e já testei em sopas, estrogonofe, dobradinha... No caldo de mocotó, ele aumenta até 30% do volume sem alterar o sabor”, afirma. Mas parece que o objetivo vai demorar mais que o esperado. “Como não consegui empresas para adquirir a patente, quero produzi-lo para torná-lo conhecido do público. E, depois, tentarei negociá-lo”, observa. Para viabilizar o negócio, ele freqüentou curso no Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas (Sebrae) e, seguindo as orientações da entidade, fez uma pesquisa de mercado para avaliar as chances do negócio dar certo. “Além de verificar que tem espaço, testamos em restaurantes e vimos que a aceitação foi de 100%”, diz. Porém, mesmo essa saída não está tão fácil assim. Sem possuir patrimônio para garantia, ele não consegue financiamento para adquirir os equipamentos necessários para produção em escala comercial. “Já tenho o local adequado, licenciamento da Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental). Tentei o empréstimo, mas não consegui”, diz, referindo-se à linha de crédito especial destinada à micro e pequenas empresas. Nesses cinco anos, ele calcula ter investido R$ 12 mil no invento, entre registro de patente no Instituto Nacional de Propriedade industrial (Inpi), taxas de licenças e viagens para divulgar o produto na Capital. “Já vendi um carro para levantar o negócio. Mas estou confiante que dará resultado”, diz. Burocracia O empresário bauruense José Luiz Woelke patenteou a marca de álcool sólido de sua empresa no Inpi. Esse registro vale por 10 anos. Para tanto, contratou uma empresa prestadora de serviços para facilitar os trâmites e enfrentar a burocracia do instituto. Porém, no ano passado, teve que renovar o registro. Ele procurou a mesma empresa e se assustou com o valor pedido. “Eles me pediram mais de R$ 900,00. Resolvi entrar no site do Inpi e descobri que a taxa pedida era de R$ 180,00”, diz. Ele mesmo efetuou o processo e não desembolsou mais do que R$ 195,00, entre taxa e postagens nos Correios. “Um dos problemas do Inpi é que falta acesso à informação e transparência”, critica. Ele observa que, como a sede do instituto fica no Rio de Janeiro, o órgão mantém representantes em outras regiões. “Na verdade, eles são como despachantes, que cobram taxas para fazer o serviço. Mas você mesmo pode fazer por telefone, fax ou e-mail”, diz. Além disso, ele aconselha os inventores a tomarem cuidado. De acordo com o empresário, algumas firmas se dizem representantes do Inpi, mas acabam pegando o dinheiro da pessoa e não efetuam o registro. “O risco de se pegar uma empresa não idônea, os altos custos e a falta de informação acabam inibindo muita gente a registrar sua idéia ou marca”, avalia. • Serviço Diretoria de Patentes do Instituto Nacional da Propriedade Industrial: (21) 2139-3797, (21) 2139-3679, (21) 2139-3638, (21) 2139-3662, (21) 2139-3314, (21) 2139-3601. O correio eletrônico é patente@inpi.gov.br. Associação Nacional dos Inventores (ANI): (11) 3873-3211 ou pelo correio eletrônico presidente@ inventores.com.br. ____________________ Entidade faz ponte com empresários

Fonte: JCNET
Posted on sábado, julho 04, 2009 by Raul Pedro and filed under , | 0 Comments »

0 comentários:

Não Achou o que Procura Pesquise Aqui!

Pesquisa personalizada

Aviso Importante - Temos de Uso

Todos os links e Conteúdo que se encontram neste blog, estao hospedados na própria Internet, somente indicamos onde se encontra, não hospedamos nenhum arquivo,cd ou programas que seja de distribuiçao ilegal.
Qualquer arquivo protegido por algum tipo de lei deve permanecer, no máximo, 24 horas em seu computador.
Eles podem ser baixados apenas para Estudo, devendo o usuário apagá-lo ou compra-lo após 24 horas.
A aquisicao desses arquivos pela internet é de única e exclusiva responsabilidade do usuário.
Os donos, webmasters e qualquer outra pessoa que tenha relacionamento com a produção do blog nao tem responsabilidade alguma sobre os arquivos que o usuario venha a baixar e para que irá utiliza-los.
Termos de Uso
Os webmasters deste site, situados na url www.publicatudoinfo.blogspot.com ; seu servidor não são passíveis de serem processados judicialmente por causa de qualquer conteúdo publicado nessa página. Todos os arquivos contidos nessa página são com finalidade confidenciais e tem apenas fins de estudo e pesquisa, não podendo ser comercializado, reproduzido ou mesmo distribuído sem autorização dos respectivos titulares das obras originais.
Artigo 46 da legislação brasileira de direito autoral: III: A citação em livros, jornais, revistas ou qualquer outro meio de comunicação, de passagens de qualquer obra, para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor e a origem da obra.
Se você for usar qualquer arquivo desta página para qualquer outro fim, com exceção das finalidades originais, nós não somos responsáveis por suas ações ou qualquer resultado em conseqüência do uso deste site. Se você quiser usar um arquivo ou qualquer outro material baixado pelos links publicados neste site, você deve oficialmente comprá-lo após baixá-lo para testes, caso contrário, você provavelmente estará violando as leis de seu país.
Se você entrar neste site sem concordar com estes termos, você estará violando a cláusula 431.322.12 do ato da privacidade da internet assinado por Bill Clinton em 1995, quaisquer pessoas ou empresas que armazenam estes arquivos.